Burnout: a síndrome do esgotamento profissional
12.Apr

burnout e glam

Exaustão emocional, fadiga, impaciência, irritabilidade, estresse, falta de concentração, falhas de memória, decepção e baixa satisfação com as atividades do trabalho, além de insegurança a respeito de suas habilidades profissionais. Se você se identificou com estes sintomas, pode estar sofrendo com a síndrome de burnout. Cada vez mais frequente – uma pesquisa realizada pela sede brasileira da International Stress Management Association com mil profissionais identificou que 72% dos entrevistados sofriam com estresse, sendo que 30% deles apresentavam o Burnout – a síndrome, que inicialmente foi identificada em profissionais que lidam diretamente com o público, como médicos e professores, hoje pode afetar qualquer um: do alto executivo à dona de casa.

“Estresse todo mundo tem, em algum momento, e por vezes até com muita frequência. Mas é passageiro e não consome o pensamento em tempo integral. O indivíduo estressado com o trabalho mantém a capacidade de se desconectar, seja num final de semana ou nas férias, com a resolução do problema emergencial que gerava o estresse”, explica o psiquiatra Carlos Augusto Maranhão de Loyola. Mas quando estes sentimentos se prolongam e o ambiente de trabalho passa a acarretar uma série de problemas de saúde, como hipertensão, obesidade, distúrbios do sono e dores no corpo, é preciso ligar o sinal de alerta. “Quando a síndrome se instala, a pessoa apresenta sintomas de esgotamento mental e deixa de realizar atividades que saiam da rotina casa-trabalho. O indivíduo dorme mal, se alimenta mal e coloca a atividade física e os momentos de lazer de lado. A preocupação com trabalho se torna uma constante”, revela Loyola. Segundo o especialista, as vítimas do burnout ainda passam a duvidar de sua própria capacidade de solucionar problemas profissionais, sentem-se desassistidas e passam a um estado de indiferença emocional generalizada, tanto nas relações profissionais e pessoais – muitas inclusive podem desenvolver a dependência química, já que buscam em determinadas substâncias um canalizador para toda esta angústia.

Mas o que pode gerar a síndrome? Carga horária excessiva, funções extremamente burocráticas, pouca liberdade no exercício do trabalho, turnos irregulares, estrutura desorganizada da empresa e chefias que dão ordens ambivalentes são os gatilhos mais comuns para o adoecimento profissional. “Indivíduos com característica de personalidade perfeccionista, ansiosos, competitivos, narcisistas, pessoas que não medem esforços para se destacar, sempre com a intenção de manter um alto desempenho, também são mais propensos a ter a síndrome”. Segundo dados de 2016 da Previdência Social, mais de 75 mil trabalhadores foram afastados de suas funções no período em razão de quadros depressivos, como o burnout – até 2020, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão será a doença mais incapacitante do mundo.

O tratamento precisa objetivar uma mudança no estilo de vida, tanto no que diz respeito à relação do indivíduo com o trabalho, quanto aos padrões de sua personalidade que possam facilitar o desenvolvimento do burnout. “Isso pode ser conquistado por meio da psicoterapia e de uma reorganização de vida que leve o sujeito a controlar melhor a separação entre a entrega saudável e prejudicial ao trabalho. Entretanto, nos casos em que as alterações de humor ou a ansiedade sejam muito evidentes, pode ser necessária a prescrição de psicofármacos “, afirma o psiquiatra. A prevenção, no geral, se dá por hábitos de vida saudáveis – atividade física regular, alimentação saudável, sono adequado, separação de momentos para o lazer e trabalho. “Precisamos tomar as rédeas da rotina, saber colocar limites, não deixar de fazer aquilo que nos traz recompensa – seja um futebol para descontrair com os amigos, um final de semana desconectado do celular com a família ou tempo para brincar com os filhos”.

Fonte:

– Carlos Augusto Maranhão de Loyola – médico psiquiatra formado pela UFPR, pós-graduado em Dependência Química pela Universidade Federal de São Paulo, em Terapia Cognitivo-comporamental pela Sociedade Paranaense de Psiquiatria e em Medicina Legal e Perícias Médicas pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É membro da Associação Brasileira de Psiquiatria e da Câmara Técnica de Psiquiatria do CRM-PR. Atua como médico psiquiatra e perito judicial psiquiatra e é também sócio e professor da EnsinoMed.

 

0

Arquivado em: Para pensar..., saúde

6
Momentos de Flow
02.Sep

flow blog

Oi Gente!!!

Vocês notaram que o blog recebeu algumas mudancinhas nesses últimos meses? Não somente nos pequenos detalhes aqui no sidebar , na foto de perfil e na caixinha de pesquisa que agora está no header no topo do blog. Aqui do ladinho direito agora também temos uma caixa de newsletter onde você pode se cadastrar e receber na sua caixa de e-mail um resuminho com as novidades postadas aqui no blog 😉

Alguns temas do blog também mudaram -Talvez mudar não seja a palavra certa – Que tal Alguns temas foram adicionados aqui no E-Glam . Isso não significa que o foco beleza, resenhas, gastronomia e viagens ainda não seja o ponto principal do blog, mas resolvi trazer um “frescor” com novos temas e postagem por aqui também.

Agora o blog não é somente beleza, mas também divido com você dica de lugares onde ir aqui em Curitiba, serviços, produtos e um pouco do que uso e faço…

Acho que o objetivo do blog sempre foi o compartilhamento. Trago aqui para vocês porque acho que tudo que é bom merece dividido. Como amigas que trocam dicas sabe? Eu queria que o blog se tornasse um cantinho assim, onde divido tudo que testo, tudo que amo, tudo que apoio e principalmente tudo que INDICO . Não queria que o E-Glam fosse somente MAIS UM blog de beleza entre tantos que estão espalhados por ai… E Sim, o verdadeiro lugar onde você pode ter o momento de flow (atividade que te faz perder a noção de tempo) e realmente vocês possam CONSUMIR conteúdo.

Espero que estejam curtindo o novo E-Glam e Enjoy!

assinatura_kerou

0

Arquivado em: Internet, Para pensar...

2
Coisas que só acontecem aos 30 …
20.Jul

glambanner30

• Na infância, você achava que aos 30 ia estar meio velha, mas poderosa. A verdade é que você continua meio jovem e provavelmente meio fodida.
• Você trabalha como nunca e recebe como sempre.

• Um conhecido falando sobre você: “Nossa, 30? Não parece!”. Sua avó falando de você: “Nossa, aos 30 eu já tinha quatro filhos”.

• A maior alegria de quem sai da casa dos pais é fazer bagunça à vontade. O passar dos anos traz uma vontade súbita de deixar o ambiente habitável, bem decorado e até limpo (!). Se você já deixou de comprar algo que junta muita poeira, #significa.

• Aos 20, um cara é interessante quando é atraente; aos 30, um cara é atraente quando é interessante.

• Na mesma lógica do cara, aos 20, você considera seu corpo saudável quando ele está bonito. Aos 30, você ama seu corpo porque ele é saudável.

• É bem humilhante programar ressaca com antecedência, mas não resta muita escolha quando o corpo pede arrego. Aos 30, dor de cabeça chega enquanto ainda temos um copo na mão.

• Misteriosamente, a prática de atividade física regular te deixa contente em vez de causar mal humor. Se bobear, ainda rola um sorrisinho de alívio em pleno exercício!

• Inclusive, depois de três décadas seu corpo deixa de ser um estranho e passa a ser um velho conhecido: você já sabe o que pode ou não comer, como chegar ao melhor orgasmo, quantas horas precisa dormir e – nossa, finalmente! – a cor de base que não te deixa com cara de boneca de argila.

• Algumas prioridades mudam. Receber uma mensagem “Eu te amo” é muito bom, mas você já leu uma “Transação aceita” em fim de mês?

• Você repassa mentalmente todos os relacionamentos anteriores e conclui que foi trouxa esse tempo todo, mas agora se transformou em gênia (pelo menos até a próxima decepção).

• Os 30 podem ser tão estranhos a ponto de você começar a estudar por lazer. Tipo, lembra quando você chorava de ódio da escola, do cursinho, da faculdade? Saudades.

• Engana-se quem pensa que a maioridade chega aos 18. A família só para de opinar sobre suas escolhas aos 30, como se você recebesse um Certificado de Maturidade™ junto com o aniversário.

• Quando aquele lance de viajar com mochila e se hospedar em camping deixa de ser aventura e vira tortura, anota aí: você está se transformando nos seus pais. 🙂

•Já te ocorreu pagar previdência privada ou pesquisar investimentos seguros? Calma, não pensa muito nisso que o rosto enruga mais.

• Seus sonhos de consumo passam a envolver eletrodomésticos? Agora, o combo robô aspirador de pó + cafeteira italiana é MUITO MELHOR do que bolsa + sapatos importados? Os 30 vieram pra ficar.

• O montante de importância que você dá para a opinião alheia agora é parecido com o montante de dinheiro na sua poupança (isso mesmo, zero!).

• Você se torna menos careta do que quando tinha 20 e poucos.

• Se dá conta de que os 30 são os melhores anos da vida.

• Passa a aproveitar a vida como se houvesse, sim, amanhã, mas um amanhã sempre melhor.

Créditos: Luiza Sahd- Revista Trip
0